TCE-AM multa prefeito por negar documentos em licitação

Em decisão unânime entre os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM) durante a 24ª sessão ordinária, na manhã desta quarta-feira (19/7), quatro representações foram julgadas procedentes, gerando multas, recomendações e determinações.  
 
Entre as representações interpostas está a da empresa Kaele Ltda., que alega haver irregularidades referentes a sonegação de documentos públicos pela prefeitura de Iranduba, na gestão do atual prefeito Francisco Gomes.
 
Segundo a representação, a empresa solicitou à Prefeitura de Iranduba e sua comissão de licitação, por meio dos ofícios 112/2017 e 115/2017 (fls.05/09), cópia do edital e termo de referência do pregão presencial 003/2017, que seria realizado em 16/2, no entanto, segundo a empresa, a prefeitura se omitiu, ignorando os pedidos.  
 
O relator do processo, conselheiro Érico Desterro, em concordância com o Ministério Público de Contas (MPC), julgou procedente a representação e aplicou multa de R$ 10 mil ao prefeito Francisco Gomes, pelo desrespeito ao artigo 5º, da Constituição Federal, e ao artigo 3º, da Lei 8.666/93. O recolhimento deverá ser feito no prazo de 30 dias.
 
Outra representação apreciada na sessão ordinária foi contra Raimundo Magalhães, ex-prefeito de Coari. Interposta pelo MPC, a representação alega omissão por parte do gestor em justificar-se sobre a compra sem licitação de R$ 120 mil em madeiras da empresa Somac Sociedade Madeireira de Coari Ltda.   
 
Conforme voto do relator, conselheiro Érico Desterro, a representação foi julgada procedente, com aplicação de R$ 8,8 mil em multa para Raimundo Magalhães, devido a irregularidades e desacordos com a Lei de Licitações, que exige a licitação para a celebração de contratos pela administração pública, com exceção das hipóteses de dispensa e de inexigibilidade de licitação, previstas nos artigos 24 e 25 da lei.
 
As cópias da decisão, dos pareceres técnicos e ministerial e do voto serão enviadas para o MPC para que avalie a possibilidade de instauração de ação por improbidade administrativa do prefeito Raimundo Magalhães.
 
Também de relatoria do conselheiro Érico Desterro, foram julgadas ainda duas representações formuladas pelo MPC devido a impropriedades relacionadas ao portal de transparência dos municípios de Envira, em nome do prefeito Ivon Rates da Silva, e de Carauari, em nome do prefeito Francisco Costa dos Santos. 
 
Entre as irregularidades encontradas no portal de transparência de Carauari, estão possíveis práticas de improbidade administrativas que contrariam a Lei de Responsabilidade Fiscal, como o descumprimento de leis de transparência e acesso e ausência de informações sobre os atos de gestão da prefeitura, além da ausência de informações sobre receitas e despesas, e da desatualização de dados de servidores públicos, em desacordo com os princípios da administração pública.
 
Julgada procedente pelo relator, conselheiro Érico Desterro, o prefeito de Carauari, Francisco Costa dos Santos, foi multado em R$ 8,7 mil, e, conforme determinação do relator, terá de atualizar dentro de 60 dias o portal de transparência do município, sujeito a multa caso a determinação não seja comprovadamente cumprida.
 
O pleno do TCE decidiu, à unanimidade, deferir a proposta do prefeito de Envira, Ivon Rates da Silva, de realizar um Termo de Ajustamento de Gestão, visando a adequação do portal de transparência do município aos termos legais. 
 
Pleno aprova contas de quatro gestores públicos
 
Ainda durante a 24ª Sessão ordinária  do TCE-AM, o colegiado decidiu pela regularidade de três prestações de contas que foram a julgamento.
 
A prestação de contas, referente ao exercício de 2014, da Secretaria de Mineração, Geodiversidade e Recursos Hídricos – SEMGRH, de responsabilidade do secretário de Estado Daniel Borges Nava, e da ordenadora de despesas Jane Freitas de Goes Crespo, foi julgada regular sem nenhuma ressalva. Foi feita apenas a recomendação que a Secretaria de Estado do Meio Ambiente - Sema e o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM intensifiquem esforços no sentido de captar recursos para o fundo de recursos hídricos e de promover a política estadual de gerenciamento de recursos hídricos mediante diagnósticos, classificações, planejamento e outorga de usos na forma da Lei.
 
Também foi julgada regular a prestação de contas da Secretaria de Relações Institucionais e Representação do Estado do Amazonas (Serira), exercício de 2015, sob a responsabilidade de Mário Manoel Coelho de Mello, gestor e ordenador de despesa (no período de janeiro a agosto de 2015) e de Nafice Bácry Valoz, secretária e ordenadora de despesas (no período de setembro a dezembro de 2015). Entre as recomendações feitas pelo conselheiro-relator, Érico Desterro, à secretaria está a solicitação para que no próximo exercício, a Controladoria Geral do Estado – CGE, emita relatório e certificado de Auditoria, cumprindo desta forma o que estipula a Lei; e que a Comissão de Inspeção - DICAD/AM, nas inspeções futuras, verifique a implantação do Sistema AJURI no controle patrimonial.
 
As contas do ex-prefeito de Novo Aripuanã, exercício de 2015, Raimundo Robson de Sá,  também de relatoria do conselheiro Érico Desterro, foi julgada regular com ressalvas. O relator foi aplicou uma multa de R$ 4,4 mil por algumas irregularidades, que apesar de contrariarem algumas normas legais, não foram suficientes para ensejar a irregularidade das contas. O atraso, no envio do Relatório de Gestão Fiscal do 1º semestre; e a falta de justificativa para a não alimentação de forma regular do Sistema de Atos de Pessoal -SAP, conforme orienta a Resolução TCE nº 16/2009, foram algumas das irregularidades que levaram o ex-prefeito receber a multa.
 
Regulares com ressalvas
As prestações são julgadas regulares, com ressalvas, quando, ainda que não haja dano ao erário, subsistam impropriedades ou qualquer outra falha de natureza formal.
 
Comprtilhe no Google Plus

da Redação - Manaus/AM

0 comentários:

Postar um comentário