Header Ads

Mulher e filho de Maduro são eleitos para Constituinte na Venezuela

Maduro aparece ao lado do filho, Nicolás e da mulher, Cilia Flores, no fechamento da campanha de 2013
A mulher e o filho do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foram eleitos entre os 545 integrantes da Assembleia Constituinte convocada por ele, assim como alguns dos principais membros da cúpula do chavismo.
 
A eleição do último domingo (30) confirmou a expectativa do líder, que poderá avançar com as medidas que deseja com a troca da Constituição —como aumentar seus poderes e tentar acabar com os protestos da oposição.
 
Os nomes dos eleitos começaram a ser divulgados nesta terça-feira (1º) pelo Conselho Nacional Eleitoral, e alguns deles foram diplomados. O número de votos que cada um obteve, no entanto, ainda não foi revelado.
 
Nicolás Maduro Guerra, 27, concorreu a sua primeira eleição e será constituinte setorial dos servidores públicos. Ele ocupou diversos cargos no governo desde que seu pai assumiu a Presidência, em março de 2013.
 
Sua madrasta, Cilia Flores, 64, chamada no chavismo de "primeira combatente", é cotada para ser vice-presidente da Constituinte. O comando da Casa deverá ficar com o radical Diosdado Cabello, número dois do chavismo.
 
Já a ex-chanceler Delcy Rodríguez tem missão designada por Maduro desde antes de ser eleita. Ela deverá presidir uma comissão da "sobre a violência política desde 1999", ano da posse de Hugo Chávez (1954-2013).
 
A oposição teme que o grupo decrete a prisão de seus líderes e torne seus partidos ilegais. Também estão entre os eleitos o ex-vice-presidente Aristóbulo Istúriz, a ex-ministra Iris Varela e Adán Chávez, irmão mais velho do líder da Revolução Bolivariana.
 
Enquanto os constituintes eram diplomados, a Assembleia Nacional, dominada pela oposição, declarou não reconhecer os resultados da eleição para a Constituinte e sua instalação, prevista para a próxima quinta (3).
 
Eles receberam o apoio de três chavistas dissidentes. A sessão aconteceu apesar do bloqueio de militantes governistas ao Palácio Legislativo, que o governo quer que seja a sede da Constituinte.
 
JURISTAS
 
À noite, dois indicados pela Assembleia Nacional para o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) buscaram abrigo na embaixada do Chile em Caracas. Beatriz Josefina Ruiz Marín e José Fernando Nuñez Sifonte se unem a Elenis Del Valle Rodríguez, que está na representação do país andino desde julho.
 
Os três temem ser presos assim como outros três colegas —Ángel Zerpa, Jesús Rojas e Zuleima González—, que foram capturados pelo Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin) e são processados por tribunais militares sob as acusações de traição à pátria e usurpação de funções da atual Corte, dominada pelo chavismo. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.