Header Ads

Anthony Garotinho foi preso enquanto apresentava programa de rádio

Foto: Leonardo Prado/Câmara dos Deputados
Rio - O ex-governador Anthony Garotinho foi preso enquanto apresentava seu programa diário, na Rádio Tupi, em São Cristóvão, por volta as 10h30 desta quarta-feira. Ele foi levado por policiais federais para Campos dos Goytacazes, onde cumprirá prisão domiciliar.
 
No dia 11 de novembro do ano passado, ele já havia sido preso suspeito de envolvimento em um esquema de compra de votos. Segundo a polícia, uma associação criminosa foi montada para fraudar as últimas eleições no município de Campos, em que foi eleita a ex-governadora Rosinha Matheus.
 
À época, ele foi levado para a superintendência da Polícia Federal no Rio, na Praça Mauá. O primeiro mandado de prisão preventiva foi expedido pelo juiz Glaucenir Silva de Oliveira, na Operação Chequinho da Polícia Federal, que investiga o uso eleitoral do programa "Cheque Cidadão".
 
Treze dias após a prisão, o ex-governador foi solto. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) revogou a decisão e impôs uma fiança de R$ 88 mil para que ele ficasse em prisão domiciliar. 
 
Em junho, a Justiça Eleitoral do Rio negou o pedido de prisão preventiva do ex-governador do Rio. O pedido feito pelo Ministério Público Estadual de Campos dos Goytacazes alegava que Garotinho estava ameaçando uma testemunha do caso que investiga o uso do programa assistencial Cheque Cidadão para fraudar a eleição municipal do município.
 
A suposta ameaça foi relatada pela radialista Elizabeth Gonçalves em depoimento à polícia em maio. Outra acusação feita pelo promotor é de que Garotinho estivesse usando seu blog para atacar testemunhas ainda não ouvidas no processo. 
 
Elizabeth, que trabalhou na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano e Social de Campos, foi presa em outubro de 2016 acusada de participar de um esquema de compra de votos por meio do programa assistencial. Em depoimentos, ela informou como o suposto esquema funcionava. Em 8 de maio passado, ela procurou a Polícia Federal para denunciar as ameaças. Elizabeth diz que está sendo perseguida desde que admitiu sua participação e contou detalhes sobre a compra de votos.
 
Em nota, a defesa de Garotinho repudiou "os motivos apresentados para a prisão do ex-governador e entende que a decisão de mantê-lo preso em casa, em Campos, tem a intenção de privá-lo de seu trabalho na Rádio Tupi e em seus canais digitais e, com isso, evitar que ele continue denunciando políticos criminosos importantes, alguns deles que já foram até presos".
 
A defesa negou ainda as acusações contra ele e informou "que ele nunca nem foi acusado de roubo ou corrupção. O processo fala de suspeitas infundadas de compra de votos, o que por si só não justifica prisão".
 
"A prisão domiciliar, além de não ter base legal, causa danos à sua família já que o impede de exercer sua profissão de radialista e sustentar sua família", completou a defesa, acrescentando que o ex-governador irá recorrer da decisão.
 
 
Fonte: O Dia

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.