Jovem que comoveu Sergio Moro trabalha para tornar acessível a impressão 3D de tecidos e órgãos humanos

Taciana Pereira, 22 anos | Foto: Arquivo pessoal
 Em abril, a então estudante de bioengenharia Taciana Pereira, de 22 anos, chamou a atenção pelo discurso que proferiu na Brazil Conference, evento que ela própria ajudou a organizar, na Universidade de Harvard, e que contou com a presença de várias personalidades brasileiras, incluindo o juiz Sergio Moro. Formada, a jovem agora trabalha em uma startup que tem por objetivo viabilizar e tornar acessível a impressão 3D de tecidos e órgãos humanos.
Taciana esteve recentemente no Brasil para falar no Congresso da Sociedade Latino Americana de Biomateriais, Órgãos Artificiais e Engenharia de Tecidos, realizado entre os dias 20 e 24 de agosto, na cidade de Maresias, litoral de São Paulo.
Antes de desembarcar no Brasil, ela soube do evento e entrou em contato com a organização para sondar profissionais brasileiros que atuam na área. Acabou convidada para apresentar o trabalho que ajuda a desenvolver desde que concluiu seus estudos em Harvard.
Enquanto estudava qual seria o próximo passo da sua carreira, Taciana diz que tinha o desejo de “ir para um lugar mais dinâmico que o laboratório”. Seu foco ainda seria a pesquisa, mas queria fazer outras coisas em paralelo. Ela, que se descreve como uma pessoa dinâmica, encontrou em uma startup, a BioBots, o ambiente ideal para atuar.
Bioimpressoras 3D acessíveis — no Brasil também
BioBots foi fundada em 2014 por dois alunos da Universidade da Pensilvânia, Danny Cabrera e Ricky Solorzano. O objetivo da empresa, desenvolver impressoras 3D e biotintas capazes de imprimir tecidos e órgãos, não é exatamente novo. A diferença, explica Taciana, é que os produtos da BioBots chegam a ser até 30 vezes mais baratos que as bioimpressoras 3D tradicionais, que custam entre US$ 200 e 300 mil.
Bioimpressora 3D - BioBotsDivulgação
Tornando a tecnologia mais acessível, Taciana e a BioBots esperam levá-la a mais pesquisadores que, de outra forma, não teriam a chance de trabalhar na área e ajudar a avançar a pesquisa e aparar as arestas, muitas ainda, no caminho até a impressão de tecidos humanos completos e aptos a serem transplantados.
Essa meta não tem prazo para ser alcançada, mas Taciana acredita que, com o esforço coletivo dos cientistas, em 10 ou 15 anos os primeiros testes clínicos em seres humanos começarão a ser feitos. No futuro, os transplantes serão mais baratos, seguros e realizados com órgãos artificiais, feitos sob demanda em bioimpressoras, como as que a BioBots desenvolve, a partir de exames laboratoriais. 
‘Mini-rim’ impresso à base de alginato, um composto de algas marinhas, sem células. ‘O importante
é mostrar a complexidade que a impressora consegue alcançar, impossível de fazer manualmente’, diz Taciana
Atualmente, estudam-se kits de biotintas para a criação de diferentes tecidos que possam ser usados para criar ossos, cartilagens, tecidos do fígado, entre outros. Aplicações distintas possíveis via bioimpressão 3D envolvem pesquisas para a cura do câncer e na indústria farmacêutica, para testar os efeitos de diferentes dosagens de novos medicamentos. 
Taciana tem como meta paralela fomentar a pesquisa no Brasil. Sua vinda ao país é parte desse esforço. Ela conta que, antes do congresso em que palestrou, fez uma extensa pesquisa de trabalhos na área realizados. Encontrou alguns pesquisadores que já experimentam com a impressão 3D, mas a fazem separada da celularização, sem extrusão (quando o tecido impresso já sai com células). “Qualquer pessoa que quiser trabalhar com isso será pioneira no campo. Ainda não existem trabalhos publicados no Brasil sobre isso”, conta.

Comprtilhe no Google Plus

da Redação - Manaus/AM

0 comentários:

Postar um comentário