Header Ads

Princesa japonesa renuncia à realeza para se casar com plebeu


A princesa japonesa Mako, neta mais velha do imperador Akihito, renunciou à realeza em nome do amor. A jovem de 25 anos anunciou no domingo (03/09) o seu noivado com um plebeu, Kei Komuro, que trabalha em um escritório de advocacia. O casal se conheceu na universidade.

No Japão, uma lei impede as mulheres da família imperial de se casarem com homens plebeus. O contrário, porém, é permitido. Tanto Akihito quanto seus dois filhos se casaram com plebeias, que agora fazem parte da família imperial.

O casamento deve acontecer dentro de aproximadamente um ano. “Estou muito feliz. Tenho consciência desde a minha infância que teria que abandonar o status real com o casamento”, disse a princesa. Komuro lhe pediu em casamento há mais de três anos.

Mako chegou a se passar por plebeia durante dois anos: entre 2014 e 2015, ela estudou na Universidade de Leicester, na Inglaterra, sem ser reconhecida. Ela chegou até mesmo a morar em uma residência universitária.

HistóricoO imperador Akihito se casou em 1959 com Michiko Shoda, a filha do presidente de uma companhia de moinhos. Seu primeiro filho e herdeiro do trono, Naruhito, casou-se com a diplomata Masako Owada, em 1993. Eles têm uma filha de 15 anos, Aiko, que não é herdeira do trono porque no Japão apenas homens podem ser imperadores.

Akishino, o segundo filho do imperador, também se casou com uma colega de faculdade, Kiko Kawashima. Ele é pai de Mako e de Kako, três anos mais nova, bem como de Hisahito, de 11 anos, que por ser o único menino de sua geração é quem está na linha de sucessão ao trono do Japão.

Akihito tem ainda uma filha, Sayako Kuroda, que assim como Mako renunciou à realeza para se casar com o arquiteto Yoshiki Kuroda em 2005.

Akihito anunciou em julho que pretende renunciar em breve, devido à idade avançada – ele tem 83 anos e está no poder desde 1989. A abdicação, porém, depende de alterações na constituição do Japão, que não prevê essa possibilidade.


Com informações de Agência Ansa.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.