Header Ads

Andrade usou Oi para repassar caixa 2 a Pezão, diz marqueteiro


O marqueteiro Renato Pereira afirmou em delação ao Ministério Público Federal que a empreiteira Andrade Gutierrez usou a Oi para repassar recursos de caixa dois para a campanha de reeleição do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), em 2014.

É a primeira vez que a empresa de telefonia é citada numa delação como tendo sido usada pela empreiteira, uma de suas controladoras, para repassar recursos ilícitos a políticos. Nos acordos de leniência e delação de executivos da Andrade Gutierrez, a empresa de telefonia nunca foi citada como sendo partícipe de irregularidades.

A omissão tem sido motivo de pressão do Ministério Público Federal no "recall" do acordo de colaboração dos funcionários da Andrade. A delação de Pereira, por sua vez, foi devolvida pelo ministro Ricardo Lewandowski à Procuradoria-Geral da República sem homologação, por discordâncias quanto à pena negociada.

Pereira afirmou aos procuradores que a empreiteira fez um aporte de R$ 3 milhões para o caixa dois de Pezão por meio de uma triangulação de empresas que passava pela Oi. A estratégia para o repasse foi descrita, segundo o marqueteiro, por Alberto Quintaes, ex-diretor comercial da empreiteira no Rio, ao seu então sócio, Eduardo Villela.

"A sugestão deles foi: 'Nós fazemos um aporte para a Oi. A Oi destina um valor para a NBS e vocês fazem um contrato com a NBS ou o grupo PPR e recebem através deles'", disse Pereira, marqueteiro das campanhas do PMDB do Rio desde 2006.

A NBS é a agência de publicidade responsável pela conta da Oi. Era também parceira da Prole, de Pereira, no grupo PPR, uma holding de agências de publicidade.

De acordo com o marqueteiro, a sua empresa recebeu os R$ 3 milhões por meio de um acordo de indenização em razão da venda do grupo publicitário para a multinacional japonesa Dentsu.

"Foi feito um distrato entre o grupo PPR e a Prole pelo fato deles terem recebido um valor da Dentsu e nós não termos recebido nada. Creio que de fato a gente tinha que receber um valor, mas um valor pouco expressivo. Foi feito um acréscimo de valor para recebermos cerca de R$ 3 milhões. Esse contrato existiu para isso", disse o marqueteiro.

Quintaes é um dos delatores da Andrade Gutierrez, mas jamais mencionou a Oi no episódio.

Os R$ 3 milhões foram repassados no segundo turno da campanha, quando, segundo o delator, os gastos cresceram e faltava dinheiro para pagar funcionários e fornecedores. De acordo com Pereira, o repasse da Oi foi parte de um acordo de R$ 10 milhões da Andrade com Pezão.

O marqueteiro disse ainda que o governador lhe relatou que a pessoa responsável por garantir os recursos foi Sérgio Andrade, que preside o conselho do grupo e não participou do acordo de delação sob alegação de que estava fora da administração desde 2007.

A Andrade e seus executivos firmaram delação em 2015, mas as investigações identificaram uma série de omissões. Como a Folha revelou, procuradores de Curitiba pressionam negociadores a relatar as relações entre a empreiteira, a Oi e a família de Lula.

Em entrevista à Folha de S.Paulo no mês passado, um ex-executivo do grupo empresarial de Jonas Suassuna –um dos donos do sítio em Atibaia atribuído ao ex-presidente– afirmou que a Oi usou as firmas do empresário para fazer repasses a Lulinha. A Oi investiu R$ 82 milhões na Gamecorp, empresa que tem entre os seus sócios Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho mais velho do petista.

A empresa de telefonia está em recuperação judicial e acumula dívida de R$ 63,9 bilhões. Há o temor de que, caso seja envolvida na Lava Jato, a Oi não consiga se recuperar. Com informações da Folhapress.




Fonte: Notícias ao Minuto



Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.