Conectando o Amazonas

Diagnóstico precoce é desafio para o controle da hanseníase

Do total de 128 novos casos de hanseníase notificados no ano de 2017 no município de Manaus, 47,65% dos pacientes só descobriram a infecção quando já apresentavam deformidades visíveis, afetando a função de olhos, mãos ou pés. A partir da análise dessa informação e considerando que os sintomas iniciais da doença podem levar até sete anos para se manifestarem, a Prefeitura de Manaus vem priorizando cada vez mais as ações para a detecção precoce da hanseníase.

Esse trabalho está sendo fortalecido pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), dentro da programação do Janeiro Roxo, campanha de conscientização para o combate à hanseníase, com atividades educativas, rodas de conversa, intensificação na oferta de exames dermatológicos e consultas médicas e busca ativa de pacientes com sintomas da doença.

O secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, explica que o número de casos de hanseníase vem apresentando redução no município de Manaus devido aos trabalhos das equipes de saúde de detecção precoce e acompanhamento, como orienta o prefeito Arthur Virgílio Neto, mas que a detecção precoce é fundamental para o controle da doença, garantindo o início do tratamento e, assim, quebrando a cadeia de transmissão.

“A hanseníase tem cura e o tratamento pode levar de seis meses a um ano. Se um paciente está sem diagnóstico, ele não recebe tratamento e mantém a cadeia de transmissão da doença. Por isso, a importância da detecção, porque é iniciado o tratamento imediato e o paciente deixa de transmitir a doença, evitando o surgimento de complicações como incapacidades e deformidades físicas”, informa Marcelo Magaldi.

Redução de casos – A hanseníase é uma doença infecciosa, transmissível, causada pelo bacilo de Hansen. Atinge principalmente a pele e os nervos periféricos (mãos e pés). A transmissão acontece de uma pessoa infectada com o bacilo, que não esteja recebendo tratamento, para uma pessoa sadia, por meio de secreções nasais, tosses e espirros.

No Brasil, o número de casos novos de hanseníase vem diminuindo gradativamente ao longo dos últimos anos. Foram diagnosticados 459 casos novos de hanseníase no Amazonas no ano de 2017. Nesse mesmo ano, Manaus teve o registro de 128 casos registrados, o que corresponde a 27,8% dos casos novos do Estado e uma redução de 23% em relação a 2016. No ano passado, o Sistema de Notificação de Agravos (Sinan) registrou, até o momento, 115 casos novos na capital amazonense.

De acordo com a chefe do Núcleo de Controle de Hanseníase da Semsa, enfermeira Eunice Jacome, a redução dos casos em Manaus tem ocorrido de maneira progressiva, resultado de ações de enfrentamento da doença, com foco na busca ativa de casos novos para o diagnóstico ainda na fase inicial da doença, no tratamento oportuno e na cura do paciente.

“Quanto mais rápido o diagnóstico, mais fácil é a cura. E é o início do tratamento que vai reduzir a contaminação de pessoas sadias e permitir que se avance no processo de eliminação da doença enquanto problema de saúde pública no Brasil”, destaca Eunice.

Uma das estratégias da Semsa para a detecção precoce é a busca ativa de contatos de pacientes já diagnosticados com a doença. Eunice Jacome lembra que os primeiros sintomas da hanseníase podem demorar de dois a sete anos para se manifestarem e, assim, uma pessoa pode passar anos com a doença, sem diagnóstico e sem tratamento, mantendo a cadeia de transmissão.

“Por esse motivo, todos os contatos do paciente, em casa e mesmo no trabalho, precisam ser examinados. A dificuldade é convencer o paciente a informar sobre o diagnóstico para a família, amigos e colegas de trabalho, já que ainda há muito preconceito em relação à doença. Muitos dos contatos desses pacientes não têm conhecimento que devem ser examinados ou não dão a devida importância justamente por não terem sintomas da doença”, alerta Eunice Jacome.

Educação em Saúde – Na próxima sexta-feira, 11/01, a Unidade Básica de Saúde (UBS) Avelino Pereira, localizada na rua Cravinhos, s/nº, comunidade João Paulo, bairro Jorge Teixeira, zona Leste, vai promover uma ação educativa para a prevenção, diagnóstico precoce e o combate ao preconceito.

A ação faz parte da programação do Janeiro Roxo e vai envolver a comunidade, profissionais da UBS e do Distrito de Saúde Leste (Disa Leste), que farão uma caminhada pelas ruas do bairro, com concentração a partir das 7h30, para chamar atenção da população sobre a importância do combate à hanseníase.

Sintomas - Os sinais e sintomas mais frequentes da hanseníase são: manchas brancas, avermelhadas ou amarronzadas, em qualquer parte do corpo, geralmente com perda da sensibilidade à dor, ao calor, ao frio e ao tato, que podem estar principalmente nas extremidades das mãos e dos pés, no rosto, nas orelhas, nas nádegas e nas pernas; áreas com diminuição dos pelos e do suor (principalmente nas sobrancelhas); dor e sensação de formigamento, dormência e fisgadas nos braços e nas pernas; diminuição da força muscular; e inchaço das mãos ou pés.

Diagnóstico -
O diagnóstico de caso de hanseníase é essencialmente clínico (geral e dermatoneurológico), identificando as lesões ou áreas de pele com alteração de sensibilidade e comprometimento de nervos periféricos. Em Manaus, a rede pública municipal está apta a realizar o exame dermatológico para suspeição da hanseníase e todas as Unidades de Saúde estão preparadas para o tratamento.

Tratamento -
O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza o tratamento, que é realizado com a Poliquimioterapia (PQT), uma associação de antibimicrobianos. Pode durar de seis meses a um ano, dependendo da forma clínica diagnosticada. Ainda no início do tratamento, a doença deixa de ser transmitida. Familiares, colegas de trabalho e amigos, além de apoiar o tratamento, também devem ser examinados.


Foto: Divulgação/Semsa



Postar um comentário

 
Copyright © Chefão da Notícia. Templates Designed by OddThemes