Conectando o Amazonas

Cine Casarão ganha estreia e mantem recorde de público em cartaz

O Cine Casarão (rua Barroso, 279, Centro) ganha estreia nesta semana da animação ‘Tito e o Pássaro”, um filme de Gustavo Steinberg, Gabriel Bitar e André Catoto. O ingresso custa R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia) com sessão na sexta-feira e sábado às 18h30, e no domingo às 17h.

A trama do longo, se desenvolve a partir da personagem a mendiga, que desprezada tem uma dimensão decisiva que faz lembrar a senhora dos balões de O retorno de Mary Poppins: num preâmbulo, a personagem deixa entrever o papel vital dos pombos ao desfecho da trama. O protagonista do filme é o inseguro Tito que, mais do que presenciando desavenças entre o pai e a mãe dele, segue sendo a razão (indireta) dos desentendimentos e empreende uma rotina com que medíocre no colégio.

A paternidade é uma das abordagens fortes na fita em que Tito tem por adversário virtual o rico e arrogante colega Teo, filho do magnata Alaor, que está disposto a trancafiar todo mundo num estilo de vida ligado à redoma de um condomínio inacessível. Para piorar todo o cenário, uma epidemia ameaça as pessoas que passam à condição paralisada, aos moldes de monólitos.

Recorde de público

Com duas semanas em cartaz, o filme "Fevereiros", dirigido por Marcio Debellian, todas as sessões estão com lotação esgotada e mais de 200 pessoas foram conferir o longa.

O documentário que acompanhou Maria Bethânia do Rio de Janeiro, com o vitorioso desfile da Mangueira em sua homenagem, até Santo Amaro, sua cidade natal. Ainda é possível conferir a história nesta sexta-feira às 18h30, no sábado às 16h30 e no domingo às 19h.

“Fevereiro” acompanhou a construção do carnaval da Mangueira em 2016 – desde os desenhos das primeiras alegorias aos desfiles na avenida. "O que me interessou desde o início, independente do resultado que o carnaval viria a ter, foi o recorte que a Mangueira escolheu para o enredo. Entre as inúmeras possibilidades de se homenagear Maria Bethânia, a escola escolheu tratar da sua devoção religiosa, do seu sincretismo pessoal que junta o candomblé, devoção católica e sabedorias herdadas dos índios", lembra o diretor Marcio Debellian.

O filme viajou com Maria Bethânia para o Recôncavo baiano, participando de seu ambiente familiar, religioso e das festas da sua cidade natal, Santo Amaro da Purificação, conhecendo o universo que inspirou o enredo. Neste trânsito entre o Rio de Janeiro e a Bahia, "Fevereiros" depara-se com questões históricas como o surgimento do samba, tolerância religiosa e racismo.

SERVIÇO:

Cine Casarão
Local: Casarão de Idéias (rua Barroso, 279, Centro)
Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia para estudantes, idosos e pessoas portadoras de necessidades especiais)



Postar um comentário

 
Copyright © Chefão da Notícia. Templates Designed by OddThemes