Coreia do Sul pretende minimizar disputa comercial com o Japão

A Coréia do Sul informou nesta sexta-feira que vai tentar minimizar as possíveis conseqüências da disputa comercial com o Japão, que pode aumentar ainda mais com a decisão coreana de encerrar um pacto militar de compartilhamento de informações. com o vizinho.

"Vamos administrar de perto a situação para garantir que o impacto econômico negativo seja minimizado sob todas as circunstâncias", disse o ministro das Finanças, Hong Nam-ki, em encontro com repórteres em Sejong.

O ministro das Finanças, Hong Nam-ki, conversou com repórteres em Sejong, um centro administrativo localizado a 130 quilômetros a sudeste de Seul, hoje (23).

Os comentários vieram um dia depois de a Coréia do Sul ter anunciado que não estenderá o Acordo Geral de Segurança de Informações Militares com o Japão, em sua mais forte reação às restrições de exportação do Japão.

Hong disse que a Coréia do Sul manterá registros 24 horas por dia sobre os mercados financeiros e que um plano de contingência está em vigor para lidar com o aumento da volatilidade sobre a decisão de Seul de descartar o pacto militar com o Japão.

"De uma perspectiva econômica, dificuldades e incertezas podem não ser facilmente eliminadas, dependendo de como o Japão reaja" sobre a decisão de encerrar o pacto militar, disse Hong em uma reunião separada com chefes de grupos de pesquisa estatais e independentes em Seul. "É difícil prever como as coisas vão acontecer."

O mais recente movimento da Coréia do Sul ocorre no momento em que as relações bilaterais mergulharam em seus níveis mais baixos nas últimas décadas devido a uma disputa comercial decorrente do uso de coreanos pelos japoneses durante o período de 1910-1945 na península coreana.

O Japão impôs regulamentações mais rigorosas sobre as exportações para a Coreia do Sul de três materiais - resistentes, gás corrosivo e poliimida fluorada - que são críticos para a produção de semicondutores e displays flexíveis.

O Japão também retirou a Coreia do Sul de sua lista de parceiros comerciais confiáveis ​​em retaliação contra as decisões da Suprema Corte do ano passado na Coreia do Sul, ordenando que as empresas japonesas compensassem as vítimas sul-coreanas de trabalho forçado.

Hong reiterou a exigência da Coreia do Sul de que o Japão acabe com as restrições às exportações, mas a recente disputa entre os vizinhos sugere que eles provavelmente não vão consertar suas amarras e colocar sua cooperação econômica de volta no caminho certo em breve.

Surgiram preocupações de que a guerra comercial entre os dois vizinhos poderia pesar sobre a economia sul-coreana, mas Hong disse que não é hora de revisar a meta de crescimento da Coréia do Sul este ano.

Na quinta-feira, Hong disse aos legisladores que "não será fácil" para a Coreia do Sul atingir sua meta de crescimento de 2,4% ou 2,5%.

Em julho, a Coreia do Sul reduziu suas perspectivas de crescimento econômico para este ano, entre 2,4% e 2,5%, ante previsão anterior de 2,6% a 2,7% em dezembro, citando exportações fracas e investimentos lentos.

A agência global de classificação Standard & Poor's reduziu drasticamente sua previsão de crescimento para a economia sul-coreana este ano, para 2 por cento da previsão anterior de 2,4 por cento em abril, devido à crescente incerteza sobre as perspectivas do comércio global e o consumo mais fraco.

Em um movimento para revitalizar a economia, Hong disse que o governo está considerando elevar o orçamento do ano que vem para US$ 423,5 bilhões, um aumento de 9% em relação a 2019.

O projeto de orçamento, se aprovado pelo parlamento, aumentaria a dívida nacional da Coreia do Sul para o limite superior de 39% de seu produto interno bruto em 2020, em comparação com 37,2% em 2019.


Foto: Akio Kon/Bloomberg
Fonte: Agência Brasil



Postar um comentário

 
Copyright © Chefão da Notícia. Templates Designed by OddThemes