Delegado é alvo de operação da PF no AM por corrupção e lavagem de dinheiro - O CHEFÃO DA NOTÍCIA

Breaking

Publicidade

sexta-feira, 15 de maio de 2020

Delegado é alvo de operação da PF no AM por corrupção e lavagem de dinheiro

Manaus/AM – A Polícia Federal (PF) no Amazonas, deflagrou na manhã desta sexta-feira (15), a Operação SERONATO, inaugurando a fase ostensiva de dois Inquéritos Policiais instaurados em janeiro e maio de 2019, respectivamente, para investigar as possíveis práticas de crimes como corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Foram cumpridos, em Manaus, 6 (seis) mandados de busca e apreensão, todos, expedidos pelo Juiz da 2ª Vara Criminal Federal da Seção Judiciária do Estado do Amazonas. As buscas segurem nos condomínio de luxo Ephigenio Salles e Vila Rica, na Zona Centro-Sul de Manaus.

São investigados um delegado de Polícia Federal, atualmente licenciado, e dois dos seus familiares, além de dois empresários e da ex-sócia de uma das empresas envolvidas.

As provas da materialidade delitiva e indícios de autoria colhidos ao longo do primeiro Inquérito Policial indicam que o policial federal teria se prevalecido do cargo ao fazer mau uso das informações obtidas durante a investigação que culminou com a Operação Udyat, deflagrada no ano de 2012, para viabilizar, de forma indevida, o agenciamento da venda de uma empresa pertencente a sua mãe pelo valor de R$500.000,00 (quinhentos mil reais).

Por meio da segunda investigação criminal a Polícia Federal pretende esclarecer sobre as possíveis ocorrências de crimes de falsidade, favorecimento em razão do cargo e lavagem de dinheiro, em relação a fatos que envolvem a subcontratação, realizada por um consórcio de empresas que atuou na construção do Aeroporto Internacional de Manaus/AM, para que a empresa registrada em nome da mãe do policial federal, executasse o paisagismo do aeroporto, pelo valor de R$1.200.000,00 (um milhão e duzentos mil reais).

O nome da operação é uma alusão às suspeitas de que um dos investigados teria se prevalecido do cargo policial para cometer fatos que tinha por dever reprimir.


Comunicação Social
Superintendência Regional da Polícia Federal no Amazonas




Nenhum comentário:

Postar um comentário