Conecte-se Conosco

Brasil

Especialista já prevê data para terceira onda da covid em Manaus

Publicado

em

O biólogo e pesquisador Lucas Ferrante, do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa) prevê que Manaus, a capital do Amazonas, vai viver a terceira onda do coronavírus (covid) antes mesmo de sair da segunda. E isso vai acontecer de março a maio.

Ferrante fala com a autoridade de quem foi um dos especialistas que alertou com muita antecedência que o estado sofreria nova onda de contaminações e mortes depois do pico em abril e maio de 2020.

Conforme sua avaliação, o colapso vivido agora na rede hospitalar não é resultado da P.1, a nova mutação do vírus transmissor da doença.

Para Ferrante, isso é reflexo ainda das festas de fim de ano e do retorno às aulas presenciais, basicamente.

Dessa maneira, embora a variante não seja a causadora da alta taxa de mortalidade e hospitalização na segunda onde, o vírus se fortaleceu nesse ambiente.

Ferrante é um dos defensores do lockdown em Manaus como forma de interromper a circulação e novas mutações do vírus. De acordo com ele, esse alerta de terceira onda e necessidade de maior isolamento da população já foi apresentado ao prefeito da capital.

Outro alerta para combater o coronavírus com eficácia é a vacinação em massa da população.

Alerta tá dado

Segundo afirma o pesquisador, se houver essa terceira onda, ela vai continuar afetando a população por mais tempo.

Como resultado, prevê o cientista, o grau de mortalidade e contaminação continuará sendo mais alto que em 2020.

Por tudo isso, o Amazonas pode vir a se tornar o epicentro mundial do coronavírus. “É uma questão de tempo”, afirmou.

Ferrante considera que os alertas científicos, a exemplo do que foi feito previamente à segunda onda, já estão sendo negligenciados no estado.

Por exemplo, disse que pesquisadores, infectologistas e outros que lidam com estudos do coronavírus não foram convidados para audiência pública que seria realizada na Assembleia Legislativa (ALE-AM) nesta terça (16).

Veja afirmação do pesquisador.

Foto: Reprodução/TV