Ticker

6/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

Sejusc apura denúncia de tráfico humano e trabalho escravo com família de 37 pessoas vindas do Maranhão



A Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) recebeu, na última quinta-feira (04/02), a denúncia de que uma família de 37 pessoas, entre criança, adultos e idosos, vinda da cidade de Maracaçumé, no estado do Maranhão, estava vivendo em uma palafita em condições subumanas, na comunidade Bairro do Céu, no bairro Aparecida, zona sul de Manaus. O caso envolve suspeita de tráfico humano e trabalho escravo.

Segundo o apurado pela equipe técnica da Sejusc, que atuou nesta sexta-feira (05/02) na averiguação do caso, a família veio do Maranhão com destino a Boa Vista, no estado de Roraima, mas, devido à proibição de viagens intermunicipais, não conseguiu chegar ao destino onde, de acordo com a família, havia a promessa de emprego.

A secretária Mirtes Salles, titular da Sejusc, contou que todos os familiares estavam vivendo em um pequeno imóvel de dois cômodos. À equipe da pasta, eles solicitaram uma autorização para fazer uma viagem de barco até a cidade de Belém, no Pará, para conseguir retornar à cidade natal.

“São pessoas que, provavelmente, poderiam ser vítimas de tráfico humano e serem atraídas para Boa Vista para trabalho escravo. Elas dizem que tem uma família muito simples, pobre, que estaria esperando por eles lá. Uma pessoa pobre não vai esperar 37 pessoas. Então é uma história mal contada. Percebemos que eles têm muito medo, receio, de falar”, disse a gestora.



Ela informou, ainda, que está em contato com o Comitê de Crise da Covid-19, do Governo do Amazonas, para reunir os mecanismos necessários para retirar a família da situação em vulnerabilidade social que se encontra, além de conseguir levá-los de volta ao Maranhão.

Mais detalhes - Durante a averiguação da denúncia, as equipes da Sejusc deixaram kits de higiene, álcool em gel e máscaras para a família com o intuito de ajudá-los na proteção contra o novo coronavírus (Covid-19). Além disso, a Secretaria está providenciado, junto à Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS/AM), testes rápidos para Covid-19 que serão aplicados no grupo. A Secretaria ainda custeará a alimentação da família até que a situação seja resolvida.

A denúncia envolveu a atuação de três secretarias executivas da Sejusc, sendo elas de Direitos Humanos, da Criança e do Adolescente, e da Pessoa Idosa.

Fotos: Raine Luiz/ Divulgação Sejusc

Postar um comentário

0 Comentários