Conecte-se Conosco

Brasil

Projeto refloresta propriedades rurais em área de Mata Atlântica

Publicado

em


Após séculos de destruição, a vegetação nativa de Mata Atlântica havia praticamente desaparecido em Cachoeiras de Macacu, na região metropolitana do Rio de Janeiro, onde foi derrubada para dar lugar a pasto ou agricultura.

Depois de oito anos de plantio, a floresta finalmente voltou a ocupar a paisagem da Reserva Ecológica de Guapiaçu (Regua), no município fluminense. Patrocinado pela Petrobras e pelo governo federal, o Projeto Guapiaçu está recuperando 260 hectares de vegetação com espécies como jequitibá-rosa, jacarandá-da-bahia e cedro-rosa.

Desde o ano passado, uma nova fase da iniciativa começou a expandir para além dos limites da reserva, e ações de restauração ecológica começaram a ser feitas em propriedades rurais privadas. O projeto vai contemplar, até o fim deste ano, 61,4 hectares de áreas particulares.

Para a coordenadora executiva do projeto Gabriela Viana, os benefícios da recuperação de áreas de pastagens pouco utilizadas são maiores do que a sua não utilização. Segundo ela, o reflorestamento gera muitos serviços ambientais como água em quantidade e qualidade, sombra e melhoria do ar.

“Nós entendemos que o nosso grande desafio agora é mostrar para os proprietários que, ao disponibilizar pequenas áreas para recuperação em beira de rio ou alguma nascente, eles também terão benefícios. Não é só o meio ambiente que terá benefícios”, disse Gabriela.

Acordos de cooperação

O projeto está firmando acordos de cooperação com pessoas físicas e jurídicas proprietárias de terras vizinhas à reserva. “Entramos com a mão de obra e os insumos necessários para o reflorestamento. O investimento na área é feito pelo projeto. Não tem custo para o proprietário. Mas nessa parceria temos que ter a garantia deles de que vão manter a área reflorestada”, afirmou a coordenadora.

“O objetivo destas parcerias é facilitar a ligação de fragmentos florestais maduros e, claro, valorizar e melhorar os recursos naturais, sobretudo a água que nos abastece. A conexão por meio dos corredores é ainda muito importante para a biodiversidade de fauna e flora que precisa da troca de material genético”, explicou Aline Damasceno, engenheira florestal do projeto.

Terrenos de proprietários rurais parceiros, como o Instituto Vital Brazil, já começaram a receber as mudas de espécies de Mata Atlântica. A escolha dos proprietários é feita tendo como base aqueles que estão com Cadastro Ambiental Rural (CAR) atualizado e se mostram dispostos a formar o banco de áreas para restauração.

“A instituição recebeu com entusiasmo a iniciativa com o objetivo de celebramos a parceria em uma área de 10 hectares. Pouco tempo após o início das atividades, os resultados têm sido visíveis e animadores. A recuperação do solo e a restauração da mata ciliar com o objetivo de estabelecer conexões entre corredores florestais na localidade são, sem dúvida, uma excelente estratégia e um passo importante para a conservação da diversidade biológica na região”, disse, em nota, Átila de Castro, presidente do Instituto Vital Brazil.

Mudança na paisagem

A primeira fase do projeto, na alta bacia do Rio Guapiaçu, ocorreu entre 2013 e 2015. O intenso desmatamento promovido ao longo de séculos havia resultado em um cenário que reunia fortes erosões, formação de sulcos e nascentes secas.

Aos poucos, o espaço foi sendo transformado com o plantio de 180 mil mudas de 210 espécies nativas em uma área de 100 hectares. Entre 2017 e 2019 foram restaurados mais 60 hectares. A mais recente etapa do processo teve início em 2020 com a recuperação da vegetação de outros 100 hectares, desta vez, beneficiados com mais 130 mil plantas cultivadas.

“Hoje é evidente a transformação na paisagem. A restauração ambiental desta área trouxe para a região uma série de benefícios: além da beleza e da melhoria do microclima, há também a estabilidade do solo e dos processos erosivos nas encostas, o que evita o assoreamento dos rios”, afirmou Aline.

Na época do descobrimento do Brasil, a Mata Atlântica era contínua como a Floresta Amazônica e considerada a segunda maior floresta tropical do Brasil com uma área equivalente a 1.315.460 km². Hoje, no entanto, restam apenas 7,3% da cobertura original, e a Mata Atlântica é considerada a quinta área mais ameaçada do planeta.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Geral

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *