Conecte-se Conosco

Política

Líder do governo no Senado Federal questiona se há “blindagem” do governador do Amazonas na CPI da Covid

Publicado

em

O senador Marcos Rogério (DEM-RO), pediu ao presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), nesta quarta-feira (12/05), prioridade na convocação do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC). No Twitter, ao citar sua questão de ordem, Marcos Rogério questionou se haverá blindagem na comissão. “Há fortes indícios de fraudes no Governo do Amazonas. Pergunto, quando serão convocadas as autoridades estaduais? Ou teremos blindagem? Os requerimentos estão aprovados!”, escreveu.

Segundo Marcos Rogério, que é vice-líder do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem paretido) no Senado, a CPI precisa marcar data e hora para votar requerimento de convocação para Lima depor na comissão. Ele pediu prioridade na convocação de Wilson Lima porque, segundo ele, a situação é “mais evidente e já há elementos robustecendo os trabalhos da CPI”.

“Esse governador tem pedido de afastamento do cargo. A situação, portanto, é gravíssima. Eu queria fazer um apelo a vossa excelência que declinasse aos membros dessa CPI em que momento nós vamos colocar para votação o requerimento de convocação do governador do estado do Amazonas”, disse Rogério.

Marcos Rogério lembrou, ainda, que o Wilson Lima foi denunciado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que foi alvo de busca e apreensão de operação da Polícia Federal (PF) e que teve pedido de prisão e de afastamento do cargo pela Procuradoria- Geral da República (PGR), na Operação Sangria, deflagrada no ano passado.

No último dia 5 de maio, a CPI da Covid aprovou o requerimento de convocação do secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campelo. Além da convocação de Wilson Lima, os parlamentares também pediram audiência do prefeito de Manaus, David Almeida (Avante).

Omar Aziz disse que os requerimentos devem ser votados após a oitiva do secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campelo, previsto para o início de junho. O presidente da CPI disse que a comissão irá “investigar tudo e a todos” e que os parlamentares não precisam se preocupar porque não haverá blindagem de políticos.

“No início de junho, depois de ouvidas as pessoas que já estão convocadas, o secretário de Saúde será chamado para ser ouvido e, posteriormente, não tenha dúvida que todos esses requerimentos que vossa excelência está pedindo serão encaminhados para que sejam analisados”, disse o presidente da CPI.

Aziz disse que, no caso do Amazonas, as investigações vão além da denúncia de superfaturamento na compra de respiradores, alcançando a crise de oxigênio registrada em janeiro deste ano, quando o sistema de saúde colapsou.