Conecte-se Conosco

Nacional

Por que Ana Maria Braga pegou Covid-19 mesmo vacinada? Entenda

Publicado

em

Apresentadora Ana Maria Braga/ Foto Reprodução

O Mais Você de segunda-feira 5 começou com uma informação que pegou os telespectadores de surpresa: Ana Maria Braga havia testado positivo para a Covid-19, mesmo depois de ter recebido as duas doses da vacina contra a doença. Mas por que isso aconteceu? Tem a ver com o imunizante que a apresentadora recebeu? Ela não estava totalmente protegida? O Notícias da TV conversou com um infectologista para responder a essas questões.

Consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia e professor da Unilus (Centro Universitário Lusíadas), o médico Wladimir Queiroz explica que nenhuma vacina disponível no mundo promete imunidade definitiva, mas sim uma proteção maior contra casos mais graves da Covid-19 –Ana Maria Braga, que tem 72 anos e já enfrentou câncer de pulmão, está com sintomas leves.

“Todas as vacinas, as de todos os outros países também, não prometem a imunidade definitiva contra a doença, nenhuma vacina promete isso. Tudo o que as vacinas prometem é que, se você pegar a doença, você desenvolverá formas clínicas mais brandas, então reduz o número de internações e reduz o número de mortes. Não é tão espantoso a Ana Maria ter pego a Covid, porque não é uma promessa da vacina. Seja ela qual for”, reforça o especialista.

Ana Maria Braga recebeu a segunda dose da Coronavac em abril. A vacina diminui a mortalidade em até 97%. Em um estudo feito na cidade de Serrana, no interior de São Paulo, 95% da população adulta foi vacinada, o que derrubou em 95% o número de óbitos, reduziu em 86% as internações e em 80% os casos sintomáticos.

De acordo com o infectologista Wladimir Queiroz, “todas as vacinas aprovadas no Brasil são seguras e eficazes” e só a imunização em massa permitirá que a rotina no país volte ao normal em breve:

“É óbvio que a gente vai ter escape e vamos ter alguns casos de pessoas vacinadas apresentando formas graves, porque as vacinas não têm 100% de eficácia nas formas graves. Mas isso de maneira alguma deve ser visto como um problema para a vacinação, qualquer vacinação que seja, porque é com ela que a gente vai conseguir reduzir o número de casos, a possibilidade do aparecimento de novas variantes e quem sabe, em um período mais próximo, ter uma vida um pouco mais normal”.

A missão de toda vacina é “ensinar” o organismo a se defender em caso de contato com o vírus. O que pode potencializar o risco de contaminação são as variantes que surgem ao redor do mundo, inclusive no Brasil.

“Mutações na replicação de um vírus, especialmente de um vírus como esse, são extremamente frequentes. As mutações que são favoráveis à disseminação do vírus, que o tornam mais capaz de infectar uma nova pessoa a partir de um infectado, essas mutações logo criam uma presença preponderante em uma população, elas se tornam as mais frequentes porque a mutação que elas carregam trazem essa facilidade”, diz o médico, que complementa:

Essas novas mutações infectam tanto os indivíduos vacinados quanto os não vacinados, o que vai acontecer depois da infecção vai depender em grande parte do estado vacinal do indivíduo. Infecção é uma coisa, ter a doença é outra. A partir do momento que você tem a doença, os graus de gravidade da doença vão ser ditados, em grande parte, pela vacina.

Ou seja, as vacinas salvam. Ana Maria Braga foi diagnosticada com Covid-19 ao ser submetida a um teste na Globo na manhã de segunda-feira 5. Ao saber que estava com a doença, a apresentadora foi para o hospital iniciar o acompanhamento médico. A veterana perdeu o olfato e está com sintomas leves, como dor de garganta e cansaço.

“Estou bem, estou disposta. Já me alertaram que é leve por ter tomado as duas doses da vacina”, explicou Ana Maria, em chamada de vídeo no Mais Você. Nos próximos dias, enquanto a titular se recupera, Fabrício Battaglini e Talitha Morete vão comandar o matinal.

Fonte: AgoraRN