Conecte-se Conosco

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro falou nesta quinta-feira (8), que o presidente da CPI da Pandemia, mais conhecida como CPI da Inquisição, senador Omar Aziz (PSD-AM), de ter desviado R$ 260 milhões no estado do Amazonas.

Bolsonaro também citou o relator Renan Calheiros (PMDB-AL), de ter 17 inquéritos por corrupção e lavagem de dinheiro, no Supremo Tribunal federal.

Bolsonaro disse que o governo tem vários filtros internos para impedir isso: “Como é que você vai fazer uma sacanagem dessa? Só na cabeça de um que desvia no seu estado 260 milhões, como o Omar Aziz desviou, que pode falar isso daí. Só um cara com 17 inquéritos por corrupção e lavagem de dinheiro no Supremo, como Renan Calheiros faz”.

Em 2019, Omar Aziz foi indiciado pela Polícia Federal por suspeita de envolvimento em um esquema que teria desviado R$ 200 milhões da Saúde do Amazonas, de acordo com reportagem do “G1” da época.

Omar responde

Em resposta a Bolsonaro, durante a sessão da CPI desta quinta, Aziz disse não saber de onde o presidente ouviu isso e o desafiou a apresentar um processo em que seja denunciado ou réu: ” De uma forma vil, me coloca como se eu tivesse desviado R$ 260 milhões. Não sei onde ouviu. Mas como infelizmente se informa por compadres, compadrio, coisas pequenas, a gente releva. Presidente, eu lhe desafio a procurar um processo em que eu seja réu ou denunciado. O presidente da comissão disse, então, que não acusaria Bolsonaro de ser ladrão ou genocida, mas sim de atuar contra a ciência durante a pandemia.