Conecte-se Conosco

Polícia

OURO ROUBADO – Coronel PM faz ameaça: “Se for preso vou caçar um por um”

Publicado

em

MANAUS – Além de ser alvo da operação Garimpo Urbano deflagrada na sexta-feira (9) pela Polícia Federal e denunciado de ficar com parte de uma carga de 60 quilos de ouro, o coronel da reserva Daniel Picolloto ainda se acha no direito de ameaçar alguns envolvidos em um esquema em que ele mesmo é denunciado.

As informações são do Portal do Holanda

Estou indo até a Polícia Federal prestar depoimento e, caso seja preso, vou cumprir  a pena e depois que sair vou caçar um por um“. A frase ameaçadora, enviada por meio de um aplicativo de mensagens, é do coronel Daniel Piccolotto, e revela o temor de acabar denunciado pelo homem que nele confiara para o transporte de 38 quilos de ouro pela BR 319 e que resultou, na sexta-feira, na Operação “Ouro Urbano”, deflagrada pelo  MP-AM-GAECO com apoio  da Polícia  Federal.

Heliomar Moura Ribeiro, o proprietário do ouro, que recebeu a ameaça de Piccolotto, disse à policia que na mesma mensagem de WhatsApp, o coronel advertiu: “‘Você é até gente boa, mas sai fora, se afasta do Júnior (Raimundo José Cruz Junior) ou o negócio vai feder”. Júnior é sócio de Heliomar em uma negócio ainda obscuro de exploração de uma jazida de ouro na divisa do Amazonas com  Porto Velho.

O ouro apreendido em uma batida programada, nos moldes de assaltantes comuns, foi parar na Secretaria de Inteligência, onde nenhum auto foi lavrado.

O coronel, que na verdade atuava como segurança no transporte do metal, disse em depoimento à Polícia Civil, dias depois, que todo o material apreendido ficou na Secretaria de Inteligência, onde assinou um termo sem ler. Ele mentiu. Na verdade parte do ouro ele levou na sua Pick up S 10.

Diante do fato de o proprietário ir à policia e fazer a denúncia, Piccolotto marcou um encontro com Heliomar no Batalhão de Cavalaria da Polícia Militar, onde devolveu 11 barras, menos de 20% do produto roubado, com a advertência de que era necessário deixar tudo como estava, porque “ tem pessoal da  Secretaria de Inteligência envolvida.”

O próprio secretário de Inteligência, delegado Samir Freire, acabou preso na operação da PF-AM e do Gaeco, acusado de envolvimento no desvio do ouro.

Fonte: Portal Caboco

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *