Conecte-se Conosco

Música

Hoje é dia: Ney Matogrosso faz 80 anos; assista e ouça mais do cantor

Publicado

em

Confira fatos e datas entre 1º e 7 de agosto

E o que me importa é não estar vencido
Minha vida, meus mortos, meus caminhos tortos
meu sangue latino, minha alma cativa

Era o ano de 1973 quando os versos de Sangue Latino (de João Ricardo e Paulinho Mendonça) saíam de uma forma especial da voz de um jovem cantor, de aparência andrógina, vindo de Bela Vista (MS) e que faria história a partir daquele primeiro disco do grupo Secos e Molhados (que incluiu, entre as músicas, Rosa de Hiroshima, e vendeu mais de um milhão de cópias).

No ano seguinte, Ney de Souza Pereira, que adotou o apelido Ney Matogrosso, faria mais um LP com a banda, e depois partiria para a carreira solo. Mais 33 discos e uma das histórias mais marcantes da música brasileira.

Neste domingo (1º), Ney completa 80 anos. O aniversário do artista é uma das datas a serem celebradas nesta primeira semana de agosto. A coluna Hoje é Dia mostra que o acervo de veículos da EBC é vasto dessa trajetória de cinco décadas de carreira, reinventada em talento e visibilizada pelas impactantes transformações no palco.  

Confira homenagem que o Programa Momento Três fez há cinco anos para o aniversário de Ney Matogrosso.

Ouça aqui a versão da banda Nenhum de Nós para a música Sangue Latino, veiculada pelo Painel Nacional.

No ano de 2014, no programa Sem Censura, Ney Matogrosso ratificou que o seu trabalho de palco mistura o cantor e o ator em toda a carreira para sempre contar uma história. “Eu nunca subi no palco como uma pessoa, mas como uma personagem”, disse.

Confira abaixo o programa

O artista voltou a tratar sobre esse assunto no programa Estação Plural, também da TV Brasil. Para ele, essa personagem é um híbrido masculino, feminino, inseto, ave, felino…  “Eu gostaria de ser uma águia, um tigre. No palco eu realizo tudo isso”. O artista lembrou-se, na ocasião, que saiu de casa com 17 anos de idade e foi ser militar da Aeronáutica. Chegou também a ser enfermeiro. Mas o destino dele seria a música.

Confira abaixo no programa Estação Plural

No programa, o crítico Jotabê Medeiros explicou que uma revolução realizada pelo Ney Matogrosso foi comportamental. “Ele demonstrou talento extraordinário com uma trajetória particular. Ele é um cara de cena. Um talento cênico excepcional. Ele seria excepcional em qualquer cultura. Trata-se de um interprete de leque inacreditável”.

O crítico contextualiza que a obra do artista se renova sempre, tanto que mantém um diálogo muito rico com novas gerações. Ainda no Estação Plural, o diretor de arte Marcus Preto acrescenta que Ney foi sempre capaz de transitar por vários gêneros. “Com uma capacidade cênica que o transformou em um dos “maiores artistas do mundo”. 

Ney Matogrosso explicou que seu estilo marcante desde os tempos do Secos e Molhados surgiu a partir de reflexões sobre o espaço de representações. “Por que um bailarino pode ter um gesto mais poético e um cantor não pode? Aí quando eu via que as pessoas ficavam perturbadas, descobri que era o caminho. Não podemos ficar parados em trilhos. Sem questionar nada (…) Não tem lado ruim em ser transgressor”, afirmou.

Nas entrevistas, Ney Matogrosso explica que o ser “híbrido” dos palcos desaparece ao final das performances, e dá lugar a uma pessoa mais tranquila.  Para ouvir mais de Ney, em um estilo diferente, ouça interpretação dele em especial para homenagear o cantor Lupicínio Rodrigues.

Baque

Ainda no campo da música, este domingo também é dia do maracatu. Uma manifestação cultural que, há sete anos, foi celebrada como patrimônio imaterial do Brasil.  No baque solto, ou maracatu rural, ou no baque virado, o maracatu-nação, faz parte da identidade cultural principalmente pernambucana.

Há nove anos, o programa Expedições, da TV Brasil mostrou quatro grupos: Estrela Brilhante de Igarassu, Piaba de Ouro, Beija-Flor de Aliança e Maracatu Nação Pernambuco. A atração recorda ainda que o ritmo foi perseguido pelos colonizadores, mas sobreviveu para contar uma história de amor e luta.

Uma cultura vivíssima, nas áreas urbanas e rurais, e que fica mais visível para o país inteiro no período de Carnaval. 

Confira abaixo o programa

Aleitamento materno

Este domingo, também, é dia para uma reflexão especial sobre a importância do estímulo ao aleitamento materno para a saúde dos bebês. Por isso, chamado de “Agosto Dourado”. Trata-se do dia mundial para a conscientização a respeito do tema.

 A nutricionista Gisele Noronha, pesquisadora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), explicou, há quatro anos, para o Tarde Nacional que o leite materno é uma “primeira vacina” e é o melhor alimento que existe. “Não existe no mundo alimento igual a ele. Ele é totalmente completo e dá tudo o que um bebê precisa, tanto em relação à sua composição nutricional, quanto pelo aspecto imunológico”. Confira aqui a entrevista

Ouça mais reportagens de rádio sobre o assunto 

Assista a reportagens da TV Brasil sobre o tema 

Em maio deste ano, inclusive, o Brasil lançou campanha para incentivar a doação de leite humano.  A Agência Brasil  registrou que o Brasil conta com 222 bancos de leite materno e 220 pontos de coleta. No ano passado, foram doados 229 mil litros de leite materno por 182 mil mulheres. Esses números marcaram um aumento de 2,7% em relação ao ano anterior. Mas, segundo o ministro da Saúde Marcelo Queiroga, ainda só representa 64% do necessário.

Contra a violência

Ainda nesta semana, no sábado (7 de agosto), completam-se 15 anos da aprovação da Lei Maria da Penha ( nº 11.340), que tem sido fundamental para coibir a violência doméstica contra a mulher.

A atenção a esse tema resulta diariamente em reportagens e programas em todos os veículos da EBC. Desde o início da pandemia, a Agência Brasil tem chamado atenção para o aumento da violência doméstica e as subnotificações.

O programa Caminhos da Reportagem também destacou a questão no ano passado.  “Os números nos permitem dizer que temos violência doméstica em perto de 40% dos lares”, afirmou a diretora do Instituto Patrícia Galvão, Jacira Melo. O programa conversou com mulheres que conseguiram romper o ciclo da violência doméstica e criaram projetos para ajudar outras mulheres a fazerem o mesmo. Para elas, o amparo da lei Maria da Penha e uma forte rede de apoio, formada pela família, por amigos e vizinhos foram fundamentais. 

Foto: Reprodução/ TV Brasil
Fonte: Agência Brasil